Blogs em Destaque: Necessaire de Mulher

Fabi Ribeiro é paulista, publicitária, designer de embalagem e artesã. É assim que ela se descreve no blog Necessaire de Mulher hospedado aqui no WordPress.com

Na entrevista de hoje Fabiana divide um pouco da história do seu blog e sua experiência em trabalhar com cosméticos nas redes sociais.

Como nasceu o Necessaire de Mulher?

ScreenShot Necessaire de Mulher - Blog em Destaque

Eu sempre gostei muito de cosméticos. Eu tinha 12 anos quando comecei a aprender a pintar as próprias unhas e já era maluca por hidratantes Pond’s (na época eram bem famosos aqui no Brasil) mas há 26 anos não havia internet como a conhecemos hoje, muito menos blogs. O que eu sabia de cosméticos era o que eu lia em revistas como Querida e Nova, que hoje se chama Cosmopolitan, ou o que estava ao meu alcance na farmácia ou no supermercado.

Eu conheci o blog da Rebeca em 2009, procurando a resenha de um produto que eu já não me lembro qual era. Gostei do Dona Filó e passei a deixar comentários nos posts que ela fazia e a gente começou a trocar ideias sobre cosméticos. Vendo que eu gostava do assunto, me convidou a participar do blog dela sempre que eu quisesse e pudesse. Eu já tinha vontade de ter um blog mas eu trabalhava como designer em um lugar distante da minha casa, passava a maior parte do dia fora e, por pegar muito trânsito, chegava em casa esgotada. Não tinha a menor disposição de começar e sabia que não conseguiria manter o ritmo.

Em 2010, saí da empresa e comecei a fazer os planos para o blog enquanto procurava uma recolocação que acabou não acontecendo. Em 2011, o primeiro post foi ao ar e, paralelamente comecei a aperfeiçoar outra atividade que eu já exercia, o artesanato, e a revender cosméticos para ter uma fonte de renda. O blog ajudava e ainda ajuda indiretamente na revenda e na divulgação, afinal, acaba sendo um canal para eu mostrar o meu trabalho com o artesanato e também resenhar alguns dos produtos que eu revendo.

No começo não sabia exatamente como a resenha deveria ser para agradar os leitores, não tinha muita noção de fotografia no geral (iluminação, composição, etc.) nem tinha uma câmera fotográfica muito boa. Aos poucos a gente vai aprendendo, colhendo dicas na própria internet e hoje posso dizer que melhorei bastante o conteúdo do blog e ele tem muito mais a minha cara do que quando eu comecei.

A inspiração e o aprendizado veio da própria ‘blogosfera’. Acho importante ver como outras blogueiras de sucesso desenvolvem o seu trabalho. Dá para se ter uma ideia do caminho a seguir e aos poucos ir ajustando para que ele tenha a ‘sua cara’.

Como a internet muda o comportamento das pessoas em relação a produtos de beleza e cuidados pessoais?

Muitas pessoas não sabem diferenciar o que é um publi-post do que é opinião real e sincera sobre um produto. Então o que a gente vê na internet, em blogs e sites de beleza, são informações que nem sempre expõem o que o produto realmente é, como ele age, se funciona, se cumpre o que promete etc. Uma coisa é o que a marca e produto prometem, outra é o que ele entrega.

Um leitor desinformado vê um influenciador digital do qual gosta falando sobre determinado produto ou serviço e acredita, sem contestar, em tudo o que foi dito ou escrito. Acho que as pessoas precisam consultar opiniões e avaliar com cautela, sempre. Vejo leitoras de outros blogs que fazem um sacrifício enorme para comprar determinada paleta de maquiagem (que custa os olhos da cara) porque a ‘blogueira x’ usou essa paleta no vídeo no YouTube ou fez uma resenha e disse que era perfeita quando na verdade a gente tem um leque gigante de produtos similares por preços muito mais acessíveis.

Não acredito que a internet possa mudar uma pessoa que não gostava muito de cosméticos e fazer com que ela passe a gostar. Hoje é muito mais fácil conhecer os lançamentos de uma marca ou conseguir uma lista de produtos considerados ‘os melhores’ de determinada categoria mas se a pessoa não gosta de cosméticos, não adianta. Tenho uma amiga que nunca usou maquiagem na vida, ela adora me ouvir falar sobre maquiagem, se entusiasma, pergunta, quer ver, acessa o blog, comenta mas… continua sem usar maquiagem.

Como você escolhe os produtos que serão testados?

antes x depois.jpg

Eu procuro testar quase tudo que aparece na minha frente. Testo alguns produtos recebidos mas testo principalmente os produtos que eu compro. E eu compro muita coisa. Confesso que sou bem consumista. Já fui bem mais, reduzi bastante mas continuo sendo uma pessoa consumista.

Não recebo ‘muuuuita’ coisa de empresas, mas sempre que o produto foi enviado para mim e não foi comprado eu informo no post. Além disso, o que foi ao ar até hoje sempre foi a minha opinião sincera e honesta depois de testar o produto. Quando eu não gosto, eu falo mesmo.

Algumas vezes os leitores participam no processo de escolha de uma forma meio indireta, já que alguns me dão dicas de produtos similares aos que eu já testei. Se eu compro o produto, acabo fazendo a resenha também.

Como você tomou conhecimento da fórmula de cálculo da “Segurança da composição”?

EWG Skin Database

Eu tive um problema sério de dermatite perioral há alguns anos e, desde então, eu aprendi muito sobre composição de produtos. Aprendi com a minha antiga dermatologista, aprendi com médicos de outras áreas, aprendi lendo muito. Essa avaliação dos produtos no blog já foi mudada algumas vezes, inclusive, e acredito que esteja numa versão ‘definitiva’ a não ser que surja uma plataforma melhor para isso.

Quem faz o ‘cálculo da fórmula’ não sou eu. Todos os componentes dos produtos são inseridos em um site chamado EWG, que é de um órgão não-governamental que funciona como uma base de dados de pesquisas mundiais sobre o nível de toxicidade de componentes químicos e naturais usados em cosméticos.

O que acontece é que, na listagem dos componentes de um produto (cosmético ou alimentício), a ordem na qual os componentes aparecem está diretamente relacionada com a concentração daquele componente na fórmula. O primeiro componente da lista é o que está em maior concentração na fórmula, o último, o que está em menor concentração. Inserindo os componentes no EWG, na ordem correta, ele mesmo cruza os dados e calcula o ‘nível de toxicidade’ do produto, assim como fornece o nível de cada componente individualmente. Em suma, é uma ferramenta incrível para quem se preocupa com isso e, principalmente, para quem tem pele sensível como a minha.

Eu já fui criticada por fabricantes de alguns produtos por conta dessa avaliação porque a Anvisa, aqui no Brasil, permite uma série de componentes que são usados com restrição ou até mesmo proibidos lá fora justamente porque são tóxicos ou porque provocam alergia. Certa vez, avaliando um produto vendido como ‘hipoalergênico’ mas que continha perfume em sua fórmula, a marca se pronunciou dizendo que “a Anvisa permitia que produtos com perfume fossem vendidos como produtos hipoalergênicos”. Bem… a Anvisa não é um dermatologista e se você questionar para qualquer dermatologista ou um médico alergista, ambos os profissionais irão dizer que o perfume, não importa qual seja, é um dos componentes que mais causam reação alérgica no mundo. Logo, não faz o menor sentido que um produto vendido como ‘hipoalergênico’ tenha perfume em sua composição.

Há alguns meses assisti inclusive um documentário no Netflix chamado The Human Experiment, que fala sobre a composição de produtos no geral, não só cosméticos, e a luta que algumas pessoas travam até judicialmente para que as fabricantes mudem suas fórmulas. É um documentário que eu recomendo. Todos deveriam assisti-lo.

Como funcionam hoje as suas parcerias com empresas, programas de afiliados e lojas virtuais?

Home_necessaire_de_mulher.jpg

O blog tem poucas parcerias, a maior delas e a única fixa é com a Netfarma, farmácia virtual da qual sou cliente praticamente desde o início de atividade deles. Depois de alguns anos como cliente e quando eles já estavam mais estabelecidos no mercado, eles entraram em contato comigo e formamos uma parceria que existe desde 2014. É uma parceria muito importante para o Necessaire de Mulher pois eles dispensam muita atenção e cuidado no relacionamento com as blogueiras parceiras e dão mais valor ao conteúdo do que aos números (de visitas, de seguidores, etc.). No entanto, não é uma parceria que envolva pagamento em moeda. A parceria envolve o envio de produtos e participações em eventos de lançamentos de produtos, convites para feiras, esse tipo de coisa.

As lojas no Elo7, no Mercado Livre e na plataforma Loja2 são minhas mesmo e, com exceção do Loja2, já existiam antes do blog, pois eu já vendia meu artesanato. Trabalho com artesanato em papel, personalização de caixas, convites, cartões e embalagens, e também faço bijouterias e semijoias, além das vendas de cosméticos e da NM Bag, que é um serviço de assinatura de beleza pelo qual a assinante paga um valor mensal e recebe em sua casa uma caixinha com produtos de beleza e acessórios que se adequem ao seu perfil, preenchido em um questionário de preferências e costumes super completo.

Como o relacionamento com seus leitores e como você usa cada um dos canais?

slide_artigos.jpg

Eu tenho um relacionamento bem próximo com os meus leitores, alguns deles até se tornaram amigos virtuais muito queridos. Muitos deles acabam me adicionando no perfil pessoal do Face, por onde trocamos ideias sobre os mais variados assuntos e não só sobre os assuntos tratados no blog.

O público de cada um dos canais é bastante diferente, por mais que eu tenha tentado unificar a coisa toda.

No blog, que é o que existe há mais tempo, está mais a turma que gosta das resenhas completas, que dedica um tempinho para ler de fato o post e conhecer mais o produto. É também a turma que se inscreve para receber as novidades por e-mail. Vez ou outra, por e-mail, também recebo mensagens de leitores com dúvidas sobre determinado produto ou querendo encomendar algum cosmético. Respondo sempre o mais brevemente possível.

O Twitter eu uso de forma direta muito raramente. As postagens lá são na imensa maioria o compartilhamento automático das postagens no blog, no Instagram e no YouTube. Interajo mais apenas quando alguém me marca em determinado tweet ou me envia algum tipo de questionamento ou dúvida.

O Instagram tem um pouco de tudo nas postagens mas o público, pelo que eu percebo, já é diferente. O público do Instagram é o mais visual de todos. Raramente param para ler uma postagem maior. Uma parte está lá para conferir as artes que eu faço nas minhas unhas e mostro uma vez por semana, a outra para ver minhas compras e novidades em cosméticos, e outra ainda para acompanhar meus trabalhos nos famosos livros de colorir.

O canal do blog no YouTube tem alguns vídeos sobre produtos recebidos, unhas decoradas, meus cuidados com as unhas, pequenas resenhas de produtos mas são nos vídeos sobre os livros de colorir que meus inscritos se concentram, na imensa maioria. Seja nos vídeos de dicas e tutoriais de pintura ou nos vídeos mostrando livros de colorir, são o tema com maior número de visualizações.

No Facebook eu tenho a fan page do blog, que é a que mais unifica esses públicos diferenciados, desde a turma que gosta das resenhas, das unhas decoradas, até o pessoal dos livros de colorir. É onde eu tenho mais seguidores mas infelizmente onde eu tenho o menor número de interações. As constantes mudanças do Facebook em relação ao feed de cada usuário da plataforma acabam por ‘podar’ muito da nossa divulgação, a não ser que você pague. A maior parte das pessoas não vai lá ativar o “Obter notificações” e acaba nem vendo as postagens em sua linha do tempo.

Quais dicas você deixaria para quem quer escrever sobre beleza e cuidados pessoais?

Comece e insista por paixão. Nunca inicie um blog pensando em fama, dinheiro ou em ganhar produtos, simplesmente. Muitas vezes, essas coisas demoram bastante para acontecer e outras, nem acontecem. A blogosfera tem espaço para todos mas está, de certa forma, saturada. É preciso muita dedicação, cuidado e comprometimento para conseguir ao menos se manter na superfície.

Se quiser procurar por parcerias, é essencial ter educação e bom senso. Não dá para começar um blog e um mês depois mandar e-mail para marcas gigantescas, como a MAC, pedindo produto. Isso não existe! É preciso criar conteúdo e algum público antes de buscar parcerias. Comece sempre pelas marcas menores, muitas delas têm um atendimento exclusivo para os blogueiras, o que torna o trabalho mais fácil. E seja sempre educado nos contatos. Existem blogueiros que são extremamente grosseiros em e-mails solicitando parcerias ou em respostas aos contatos. Eu sei porque, como tenho a loja e a NM Bag, já recebi e-mails bem estranhos de blogueiras que queriam saber se eu fazia parceria. Não importa se a resposta é sim ou não, se a pessoa dedicou alguns minutos do seu tempo para te responder, mesmo que seja com um não, agradeça a atenção e coloque-se à disposição para se um dia eles tiverem interesse em uma parceria.

E lembre-se que o aprendizado é importante e deve ser contínuo. Nunca se acomode achando que você já sabe tudo nem o suficiente. Queira aprender sempre mais!


Se você gostou desse texto talvez goste também desses artigos:

cmparar-planos.png

Crie seu novo blog ou site gratuitamente

Comece agora

%d blogueiros gostam disto: